08/01/2018 • 10:00:26

​Homem de 36 anos é assassinado a tiros em Prudente



DE PRESIDENTE PRUDENTE


​Homem de 36 anos é assassinado a tiros em Prudente -


Um homem de 36 anos foi morto a tiros, por volta das 22h10 deste sábado (6), na Vila Angélica, zona norte de Presidente Prudente.

De acordo com as informações do boletim de ocorrência, a vítima, que foi atingida por vários disparos nas costas, chegou a dizer para a sua irmã que estava com medo de morrer, pois havia visto alguns de seus desafetos nas proximidades de sua casa.

O suspeito de ter cometido o crime é um vizinho do homem, segundo a Polícia Civil.

Conforme o registro, a Polícia Militar foi acionada para comparecer à Rua Roberto Gardagem, onde uma pessoa havia sido baleada. No local, os agentes encontraram o corpo da vítima e ao lado estava o seu sobrinho, sendo que o mesmo apresentou uma carteirinha do sistema penitenciário e uma carteira de trabalho como sendo de seu tio, pois tais documentos estavam ao lado do cadáver.

No corpo da vítima havia ferimentos nas costas produzidos por disparos, aparentemente, de calibre 380, assim como os projéteis que estavam no chão.

Quando os policiais checaram os documentos apresentados pela testemunha, constataram que os mesmos não pertenciam ao homem. Foi então que, segundo o boletim, os agentes foram até a casa da vítima onde encontraram a irmã da mesma.

A mulher disse que logo após seu irmão sair de casa de motocicleta, ouviu duas pessoas dizerem “perdeu, perdeu” e em seguida vários disparos de arma de fogo. Ela ainda disse que há algum tempo seu irmão havia se desentendido com um vizinho e, em decorrência disso, o tal vizinho havia atirado contra o seu irmão, mas acertou outra pessoa, no ano de 2017, conforme o documento policial.

A mulher ainda ressaltou que no dia do crime, a vítima lhe disse que estava com medo de morrer, pois “seus desafetos foram avistados” nas proximidades com veículos.

Entre as pessoas que estavam perto do local do assassinato, a PM localizou um homem, o qual pertenciam os documentos encontrados na cena do crime. Ele foi abordado na presença de sua mãe.

Em princípio, ele disse que no momento do homicídio estava distante do local do ocorrido, na casa de sua mãe, no Bairro Tapajós. A mãe confirmou essa versão.

Porém, quando foi dito pelos policiais, de acordo com o boletim, que a sua documentação foi localizada próxima à vítima, o homem alegou que na verdade, estava passando pelo local quando viu seu primo, o suspeito de ter cometido o crime, atirando contra a vítima e afim de impedi-lo de praticar o delito, acabou se aproximando do corpo, sendo que por essa razão seus documentos que estavam no bolso caíram, de acordo com a ocorrência.

O primo do suspeito relatou logo que saiu do sistema prisional, tomou conhecimento de que seu primo não morava mais na cidade, pois tinha tentado matar a vítima durante o período em que esteve preso.

O homem ainda disse que na manhã do sábado (6) estava em uma casa, localizada próxima ao local do crime, quando percebeu que seu primo havia chegado. “Embora nada tenha dito, já era previsível que ele estava na cidade para matar a vítima”, conforme o documento.

O primo do suspeito também relatou que momentos antes ao crime, chegou um conhecido ao local o chamou para conversar, sendo que os dois permaneceram em frente ao imóvel, enquanto seu primo falava com outros dois homens no quintal da casa.

Foi então que ele notou que a vítima, que morava na casa ao lado, saiu de motocicleta em direção à casa de seu primo, acelerando fortemente o veículo, segundo o registro.

O suspeito, então, saiu rapidamente do quintal já com a arma de fogo apontando para o motociclista. A vítima desceu do veículo e saiu correndo em direção à sua casa dando as costas para o vizinho, que disparou várias vezes contra ela. O primo do suspeito disse aos agentes que correu atrás do autor para segurá-lo, mas foi em vão.

Mesmo depois de ter caído no chão, o suspeito ainda efetuou mais disparos nas costas da vítima, segundo o depoimento do parente do autor à polícia. Ele ainda disse que o homem portava duas pistolas.

Um outro homem também prestou esclarecimentos à polícia e confirmou a versão do primo do suspeito.

Diante das informações, o delegado de plantão ressaltou no Boletim de Ocorrência que o fato dos documentos do homem terem sido encontrados no local, isso não é capaz de ser-lhe atribuída a autoria e participação no crime.

Sendo assim, a Polícia Civil solicitou à Justiça a prisão temporária do suspeito de ter cometido o homicídio qualificado, no caso o vizinho, pelo prazo de 30 dias. As investigações continuam.


Desenvolvimento:

Sistema Araça de Comunicação LTDA • Todos os direitos reservados