Após morte no Carrefour, Bolsonaro diz ser daltônico: 'todos têm a mesma cor'

Nos tuítes, Bolsonaro tentou passar a ideia de que existem "interesses" para criar "tensões" no País e apelou para o discurso da união

Após morte no Carrefour, Bolsonaro diz ser daltônico: 'todos têm a mesma cor' - Agência Brasil


Um dia depois do brutal assassinato de um homem negro em Porto Alegre, o presidente Jair Bolsonaro postou uma série de mensagens no Twitter nas quais nega racismo no Brasil, diz que é "daltônico" por não ver cor de pele e em nenhum momento menciona o caso.

Para Bolsonaro, quem prega conflitos e discórdia deve ir para o "lixo". A manifestação do presidente ocorreu na noite desta sexta-feira, 20, Dia da Consciência Negra, quando ele afirmou que os problemas do País vão além das questões raciais.

"Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. Existem homens bons e homens maus. São nossas escolhas e valores que fazem a diferença", escreveu Bolsonaro.

"Aqueles que instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria história. Quem prega isso está no lugar errado. Seu lugar é no lixo".

João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi agredido até a morte na noite desta quinta, 19, em uma loja da rede de supermercados Carrefour, na capital gaúcha. Um dos agressores era segurança do local e o outro, um policial militar. Os dois eram brancos.

Bem antes de Bolsonaro, o vice-presidente Hamilton Mourão disse que o assassinato de Freitas não pode ser classificado como racismo.

"Digo com toda tranquilidade para você: não existe racismo no Brasil", afirmou Mourão.

Nas redes sociais, Bolsonaro disse que o grande mal do Brasil é a corrupção.

"Estamos longe de ser perfeitos. Temos, sim, os nossos problemas, esses muito mais complexos e que vão além das questões raciais. O grande mal do país continua sendo a corrupção moral, política e econômica. Os que negam este fato ajudam a perpetuá-lo", afirmou. Logo depois, sem mencionar o crime que chocou o País, o presidente argumentou que não adianta dividir o sofrimento do povo brasileiro em grupos.

"Problemas como o da violência são vivenciados por todos, de todas as formas, seja um pai ou uma mãe que perde o filho, seja um caso de violência doméstica, seja um morador de uma área dominada pelo crime organizado", observou ele.

Nos tuítes, Bolsonaro tentou passar a ideia de que existem "interesses" para criar "tensões" no País e apelou para o discurso da união.

"Um povo unido é um povo soberano, um povo vulnerável é mais fácil de ser controlado. E há quem se beneficie politicamente com a perda da nossa soberania", disse.

A exemplo de Mourão, o presidente abordou a miscigenação de raças existente no Brasil e, ignorando os protestos pelo assassinato do homem negro, disse que tentam destruir a "essência desse povo" para colocar o ódio em seu lugar.

"Somos um povo miscigenado. Brancos, negros, pardos e índios compõem o corpo e o espírito de um povo rico e maravilhoso. Em uma única família brasileira podemos contemplar uma diversidade maior do que países inteiros", postou Bolsonaro.

Nem mesmo em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada, na noite desta sexta-feira, 20, o presidente havia tratado do crime No Twitter, porém, ao elogiar os brasileiros, ele culpou adversários pelo que chamou de "divisão" do País.

"Foi a essência desse povo que conquistou a simpatia do mundo. Contudo, há quem queira destruí-la, e colar em seu lugar conflito , o ressentimento, o ódio e a divisão entre classes, sempre mascarados de "luta por igualdade" ou "justiça social", tudo em busca do poder", afirmou.

As mensagens de Bolsonaro dividiram seus seguidores nas redes sociais e muitos protestaram.

"Queria ver se fosse seu filho ou pai, (se) falaria isso. Hipócrita!", reagiu um internauta. "Perdeu a oportunidade de ficar calado", comentou outro.


Comentários