Força-Tarefa encerra duas festas clandestinas em Osasco e na Capital

Força-Tarefa encerra duas festas clandestinas em Osasco e na Capital - Reprodução


A Força-Tarefa do Governo de SP interrompeu, na madrugada deste sábado (24), uma festa clandestina com mais 450 pessoas no bairro Bela Vista, na Capital. O grupo também flagrou e encerrou um evento irregular com 47 pessoas em Osasco, na Região Metropolitana de São Paulo. Ambos os estabelecimentos foram autuados e interditados.


O estabelecimento localizado no bairro Bela Vista, em São Paulo, foi autuado pela Vigilância Sanitária por promover evento fora do horário permitido pelo Plano São Paulo. No total, 456 pessoas estavam na festa clandestina no momento da fiscalização e 114 foram flagradas sem a máscara de proteção facial. O local, que já havia sido interditado em data anterior, foi autuado e interditado novamente pela Vigilância Sanitária Estadual. 

No município de Osasco, a ação foi deflagrada pelo Grupo Armado de Repressão a Roubos (Garra), com participação de policiais militares do Batalhão de Choque e de agentes da Vigilância Sanitária, Procon-SP e da Guarda Municipal de Osasco. As equipes chegaram ao estabelecimento, localizado no bairro Rochdale, por meio de denúncia de aglomeração. Havia 47 pessoas no local, sendo que 19 delas não faziam uso de máscara. O estabelecimento foi autuado e interditado.

Ações da Vigilância
Entre a noite de sexta-feira (23) e a madrugada deste sábado (24), a Vigilância Sanitária inspecionou e orientou um total de 43 estabelecimentos. As ações ocorreram nos bairros Santana, Pinheiros, Brooklin, Santo Amaro, Jardim Aeroporto e Bela Vista, na capital, e município de Osasco. No total, quatro locais foram autuados.

Denúncias

A Força-Tarefa foi criada para reforçar a fiscalização das medidas restritivas de circulação no combate à pandemia. Qualquer pessoa pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também no site www.procon.sp.gov.br ou pelo e-mail secretarias@cvs.saude.sp.gov.br, do Centro de Vigilância Sanitária.


Comentários