Região de Rio Preto registra mais casos positivos de Monkeypox

Mirassol (SP) confirmou o primeiro caso da doença nesta quarta-feira (17); São José do Rio Preto chega ao 8º paciente positivado

Região de Rio Preto registra mais casos positivos de Monkeypox  - imagem ilustrativa


A região de São José do Rio Preto (SP) soma 10 casos positivos de Monkeypiox, a nova varíola. Nesta quarta-feira (17), a Secretaria de Saúde da cidade confirmou o 8º caso da doença.


O paciente, de acordo com a pasta, é um jovem de 18 anos, com início de sintomas apresentados no dia 27 de julho e resultado detectável MonkeyPox em 15 de agosto.

Em Mirassol (SP), na região, o Departamento Municipal de Saúde confirmou hoje o primeiro caso da doença no município. O paciente é um homem de 33 anos, que viajou para o Rio de Janeiro e São Paulo. Os primeiros sintomas do paciente surgiram no dia 29 de julho. Ele está sendo acompanhado e monitorado pela Vigilância Epidemiológica e já está recuperado e fora da quarentena.

Outras cidades da região com um caso confirmado da nova varíola em cada uma delas foi Bady Bassitt e Ilha Solteira (SP). Em Bady, o paciente de 33 anos tem histórico de viagem para Argentina e São Paulo. Ele já está recuperado. Já em Ilha, o paciente viajou para Rio Preto e teve contato com uma pessoa infectada. Ele também está bem e permanece em isolamento.

Entenda a doença

O que é?

É uma doença transmitida pelo vírus Monkeypox, da mesma família do vírus da Varíola.

Como transmite?

Pelo contato próximo/íntimo com uma pessoa infectada e com lesões na pele e/ou por contato com objetos, tecidos e superfícies que foram utilizadas na pele.

A contaminação não tem participação de macacos na transmissão para humanos.

Principais sintomas

- Lesões que podem surgir no rosto, dentro da boca, mãos, pés, peito, genitais ou ânus.

- Caroço no pescoço, axila e virilha.

- Febre.

- Dor de cabeça.

- Calafrios.

- Cansaço.

- Dor muscular.

Prevenção

- Evitar contato íntimo e/ou sexual com pessoas que tenham lesões na pele.

- Usar máscara.

- Higienizar as mãos com frequência.

- Não compartilhar roupa de cama, toalhas, talheres, copos, objetos pessoais e brinquedos sexuais.

Isolamento

Preferencialmente domiciliar até que todas as lesões desapareçam e a pele fique íntegra.

(Com informações do Ministério da Saúde).