Unesp em Tupã iniciará a fabricação de máscaras de proteção contra a covid-19

Unesp em Tupã iniciará a fabricação de máscaras de proteção contra a covid-19 -


A Faculdade de Ciências e Engenharia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Tupã, em parceria com o Instituto Federal de São Paulo – Campus de Tupã e com a Secretaria Municipal de Saúde da Estância Turística de Tupã, iniciará a produção de máscaras rígidas (face shields) utilizando impressoras 3D das instituições de ensino e de voluntários.

O objetivo da ação é disponibilizar os itens para proteção de profissionais de saúde e de áreas auxiliares como bombeiros, policiais e motoristas, no combate à COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Atualmente, o projeto está em fase de organização junto aos voluntários, que se dividirão em turnos diários para operação de três impressoras, fabricação da estrutura de fixação da viseira transparente, corte do acetato e montagem. O tempo de impressão de cada peça demora cerca de duas horas.

O professor Paulo Sérgio Barbosa ressalta que o trabalho será realizado nas dependências da Unesp em Tupã, no interior do Estado, de modo a facilitar a operacionalização das atividades por parte dos profissionais, mantendo as orientações de distanciamento social estabelecidas.

Parceria

Devido à situação estabelecida pelo vírus no Brasil e no mundo e com a agravante falta de equipamentos de proteção individual [EPIs] para os profissionais, principalmente os da área da saúde, a parceria ficou estabelecida em uma reunião com a presença do secretário Municipal de Saúde, César Donadelli; vereador Alexandre Scombatti; professor Pedro Fernando Cataneo, diretor da Unesp de Tupã, e o docente Paulo Sérgio dos Santos, organizador do projeto. Os participantes trataram das contribuições e ações de fortalecimento e combate ao novo coronavírus.

Segundo Paulo Sérgio Barbosa, além das impressoras das instituições de ensino, uma terceira máquina, que pertence à família do voluntário Matheus Guandalini, será usada na força-tarefa.

“Nosso objetivo é criar equipes para trabalhar em turnos e, dessa maneira, produzir as máscaras 24 horas por dia, seguindo todos os padrões estabelecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária [Anvisa] e da Associação Brasileira de Normas Técnicas [ABNT]”, salienta ao Portal da Unesp.

O docente lembra que toda colaboração é importante para que o projeto tenha sucesso e o maior número de profissionais da saúde possam ser ajudados. Para as primeiras produções, ficou acordado que a Secretaria de Saúde promoverá a aquisição de insumos, mas a ideia do projeto é fabricar o maior número possível de máscaras faciais.

“Precisamos, neste momento, de ajuda: mais impressoras 3D, filamento do tipo PLA com 1,75 mm e acetato de 0,5 mm. Pessoas que têm impressoras 3D e interesse em participar do projeto podem entrar em contato e aqueles que desejarem participar do projeto por meio de doações poderão fazer por meio de um link no site www.vakinha.com.br”, conclui o professor.

Colaboração

O site para colaborar financeiramente com as impressões dos protetores faciais é http://vaka.me/985136 e o contato para disponibilização de equipamentos pode ser feito pelo e-mail paulo.sb.santos@unesp.br.


Comentários