​Número de leitos de UTI cresceu 152,5% durante a pandemia no Estado de SP

​Nesta quarta-feira, o governo paulista anunciou ​a ativação de mais 500 leitos para combater a covid-19

​Número de leitos de UTI cresceu 152,5% durante a pandemia no Estado de SP - Divulgação


O número de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) no Estado de São Paulo cresceu 152,5% em um ano, desde o ​início da pandemia do novo coronavírus. Os dados são da Secretaria Estadual de Saúde.]


​​De acordo com o órgão, no período pré-pandemia, o SUS (Sistema Único de Saúde) de SP já contava com 3.500 leitos de UTI em hospitais da capital e do interior. Com a mobilização de todos os gestores públicos e, ​hoje, o anúncio da ativação de mais 500 leitos para combater a covid-19, o número de leitos será de 8.839. Dos 500 leitos anunciados ​nesta quarta-feira, 339 serão de UTI Covid e 161 serão de enfermaria para hospitais estaduais, municipais e vinculados ao SUS.

A finalidade é garantir atendimento aos pacientes graves e fortalecer a rede em regiões que apresentam elevação das taxas de ocupação, que chega, agora, em seu estágio mais avançado em todas as regiões do Brasil.

“Os leitos serão ativados gradualmente a partir do dia 8 de março para reforçar o sistema público de saúde no estado. Lembrando, vamos enfrentar nas duas próximas semanas as duas piores semanas da pandemia no Brasil desde março do ano passado”, disse Doria.

“Estamos monitorando diariamente a situação nas regiões e em todo o Estado para reforçar a rede hospitalar para enfrentar o recrudescimento da pandemia. Para fortalecer o SUS paulista decidimos ampliar os leitos para continuar garantindo assistência a todos que precisarem”, afirma o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn.

​Também para tentar frear o avanço da covid no estado, Doria ouviu o comitê de combate à doença, composto por médicos e cientistas, ​e colocou todas as regiões na fase vermelha do Plano São Paulo. Com isso, aumentam as restrições como, por exemplo, o fechamento do comércio e shoppings. Apenas serviços considerados essenciais poderão funcionar a partir do próximo sábado (6). A medida tem, inicialmente, duração de duas semanas.


Comentários